Ai está mais uma edição do Dakar, com quatro “mosqueteiros” portugueses em acção, três dos quais candidatos à vitória – Paulo Gonçalves, Hélder Rodrigues e Ruben Faria – enquanto Mário Patrão tem pretensões a entrar no “Top 20”.

Os astros lusitanos continuam a cintilar no firmamento do Todo-Terreno mundial. Desta vez são quatro no Dakar, incluindo dois campeões do mundo – Hélder Rodrigues em 2011, Paulo Gonçalves em 2013 e vice-campeão em 2014 – e o português com melhor resultado nos anais da grande maratona, Ruben Faria, 2.º em 2013. Todos eles integram equipas oficiais – Rodrigues e Gonçalves militam na Honda, Faria na KTM. Nas ambições o triunfo constitui denominador comum ao trio, dispondo de meios para alimentar o sonho.

Em termos de condição física, Ruben Faria teve de ajustar a preparação à convalescença de uma clavícula fracturada em Portalegre, a 1 de Novembro, mas está apto para competir. História do passado é também a fractura de uma costela por Paulo Gonçalves no Rali de Marrocos, em inícios do Outubro. Sem percalços a esse nível, Hélder Rodrigues deseja superar a fasquia de dois 3.º lugares alcançados no Dakar em 2011 e 2012. Assim, três homens altamente moralizados arrancam de Buenos Aires com a vitória em ponto de mira.

Quanto a Mário Patrão, mantém o estatuto de piloto privado e avança para a terceira presença consecutiva no Dakar. Com a experiência já adquirida, aos comandos da sua Suzuki tem argumentos para conseguir melhor que o 30.º posto obtido nas duas anteriores participações, e rodar de forma consistente entre os vinte mais rápidos.

Esta edição do Dakar tem partida e chegada em Buenos Aires. Ao longo de treze etapas, repartidas entre a Argentina, Chile e Bolívia, o percurso das motos tem a extensão de 9.295 Km, dos quais 4.752 em troços cronometrados. Entre outros pontos que colocam à prova as capacidades dos pilotos, destacam-se a travessia do deserto de Atacama e do salar de Uyuni – o mais deserto de sal do mundo – assim como a altitude da cordilheira dos Andes. Saliência também para a existência de duas “etapa maratona” na segunda metade do Rali.

No conjunto das quatro categorias estão inscritos 665 concorrentes, representando 53 nacionalidades, em 414 veículos – dos quais 164 motos, 48 quad, 138 carros e 64 camiões. Após uma largada promocional no Sábado, a acção propriamente dita começa no Domingo, e a chegada acontecerá no dia 17 na capital da Argentina.

Please follow and like us:
Trio lusitano ambiciona o triunfo
FMP