Muito participado, o 11º moto-rali vimaranense fechou com chave de ouro o já 15º Troféu Nacional de Moto-ralis Turísticos BMW-Michelin da FMP, graças a um formidável percurso do Barroso à Cabreira, com especial incidência nos concelhos de Boticas e Póvoa de Lanhoso.

Muito participado, o 11º moto-rali vimaranense fechou com chave de ouro o já 15º Troféu Nacional de Moto-ralis Turísticos BMW-Michelin da FMP, graças a um formidável percurso do Barroso à Cabreira, com especial incidência nos concelhos de Boticas e Póvoa de Lanhoso.

 

Denominada “Da Maria do Monte à Maria da Fonte”, a rota de cerca de 153 km divididos por sábado e domingo consolou os 84 participantes em 58 motos vindos um pouco de todo o país. As cores outonais já são imagem de marca destas organizações dos Conquistadores de Guimarães e ninguém se cansa delas.

 

Os mototuristas vimaranenses também tem outra tradição: a de começar o seu MR no preciso local onde terminaram o anterior. Desta forma, as termas de Chaves e o local onde os termalistas vão beber as águas medicinais serviram de ponto de secretariado e partida.

 

A boa disposição era muita e os actuais detentores do Troféu, Fernando e Carla Silva do CM S. Miguel brincavam com Rui Pinheiro e Olga do MC Porto pois apenas tinham dois pontos a separá-los na frente da classificação do troféu. A atenção à história, costumes e património da região iria ser redobrada.

 

E o que foi alvo da atenção de todos foram os grandes panoramas do vale do Tâmega. O road-book praticamente começou com sete quilómetros na antiga linha do “Velho Texas”, o velhinho comboio que deixou de percorrer há vinte anos os carris entre Chaves e Régua.

 

Agora passam as motos no caminho de terra, entre carvalhais, castanheiros e medronheiros. O habitat está tão bem preservado em alguns espaços que os organizadores chegaram a avistar um corço nos reconhecimentos.

 

Um grande começo! E, de aldeia em aldeia, lá se chegou a Boticas onde o próprio presidente da câmara, Fernando Campos, grande anfitrião da partida do Lés-a-Lés 2009, apreciava a animação no centro da sua vila barrosã.

 

Com o almoço saboreado, as mais de 60 motos (se contarmos os organizadores, sempre afanosos para se colocarem em locais estratégicos, de indumentárias típicas ou divertidas) fizeram-se às aldeias mais altas de Portugal, a par das da serra de Montemuro e Sabugueiro. Atilhó conheceu um rebuliço divertido, o Castro de Carvalhelhos também, as termas com o mesmo nome idem aspas e, de seguida, os participantes entraram na sucessão de albufeiras e barragens rumo à Póvoa de Lanhoso. Alto Rabagão, Venda Nova, Salamonde e Ermal marcaram a cadência numa tarde muito rolante e sinuosa, com agradáveis momentos de condução em excelentes estradas de curvas bem desenhadas. Os dias estão curtos e como tal, pelas 17.30h já todos provavam castanhas e verde tinto na vila de Maria da Fonte.

 

Com o jantar vivido e convivido, os Conquistadores levaram o grupo para nova surpresa: um serão teatral com espectáculo de marionetas de encenação original. Boa aposta!

 

O sábado estava passado deixando um grande passeio na memória

 

O domingo já acordou morrinhento e chuvoso. Mas o desafio era curto, de apenas 12 quilómetros às voltas pela vila de Póvoa de Lanhoso. Esta povoação tem pormenores curiosos. Casas edificadas em grandes penedos, outras com muita madeira à vista e ruelas bem estreitinhas, à medida das nossas motos.

 

Fomos conhecer os bastidores do teatro onde tínhamos estado há horas e subir ao Castelo de Lanhoso, de localização magnífica. Está edificado nada mais nada menos do que sobre o maior monólito granítico da Península Ibérica. E encerra actualmente um museu interessante.

 

Logicamente que todas estas etapas são condimentadas com organizadores de trajes medievais, folclóricos ou castrejos, que constantemente nos põem à prova com jogos de habilidade ou perguntas sobre os sítios por onde andamos.

 

Com a visita aos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso – magnífica frota de carros actuais e antigos – o moto-rali terminou com a foto de grupo nos Passos do Concelho e almoçarada perto.

 

Aqui premiaram-se os mais atentos. Rui e Olga Pinheiro voltaram a vencer este MR vimaranense mas este ano por um mísero pontinho. Foi o suficiente para destronar Fernando e Carla Silva do trono e serem a segunda equipa do MCP a vencer um Troféu de Moto-ralis Turísticos da FMP.

 

O motoclube da Invicta também foi o mais pontuado de 2011 mas os Conquistadores de Guimarães, com 49 equipas participantes ao longo do ano, voltou a arrebatar o prémio de clube mais participativo pelo terceiro ano consecutivo.

 

Na classificação extra para condutores de motos BMW, a vitória de Gil Alcoforado e Clara Falcão, do MC Porto, não foi suficiente para alcançar João e Carla Krull, do MC Albufeira. Este casal não pôde estar presente e receberá um útil saco BMW para a moto na Assembleia Geral da FMP, a 10 de Dezembro, no Estoril.

 

O almoço terminou em festa e abraços, bom augúrio para 2012 e 16º Troféu MR da FMP.

 

A Federação aproveita para agradecer à BMW e Michelin o forte apoio dado ao longo do ano, aos oito motoclubes que puseram de pé o Troféu e às 346 equipas que fizeram deste ano, um dos Troféus mais participado de sempre.


Conquistadores levaram o seu moto-rali às terras da Maria da Fonte


Partida em Chaves antevia grande duelo


Na Ponte Pedrinha sobre o Beça em Boticas


A linha ferroviária do Corgo agora é um museu


Os Conquistadores descobrem sempre troços deliciosos


Partida brincalhona para a segunda etapa


Os Conquistadores descobrem sempre troços deliciosos


Para a posteridade em Póvoa de Lanhoso


Os mais regulares e participativos do Troféu MR 2011 BMW-Michelin

Please follow and like us:
Outono é com os Conquistadores de Guimarães
FMP