Um enorme sucesso a 3ª edição da grande aventura organizada pela Federação de Motociclismo de Portugal, ligando Boticas a Lagoa em travessia nacional por caminhos de terra batida, estradões mais rolantes ou trilhos mais enduristas, que visitou alguns dos mais recônditos locais do mapa lusitano. Sucesso bem patente nos rostos cobertos de pó, com evidentes sinais de fatiga disfarçados por sorrisos de quem viveu três dias de prazer de condução em ‘off-road’ e espírito de camaradagem, recheados de estórias para todos os gostos, dos furos à falta de gasolina, dos enganos no percurso que levaram a aldeias perdidas onde não faltou a oferta de uma cerveja gelada ou bom copo de tinto até às sempre enriquecedoras conversas com as populações visitadas. E que deixou nos mais de 250 motociclistas que chegaram a terras algarvias sentimento de ‘missão cumprida’, participando de forma ativa da Campanha Reflorestar Portugal de Lés-a-Lés.

Chamada de atenção para a importância das árvores autóctones na revitalização das áreas ardidas, este verão como em anos anteriores, explicando à população as mais-valias de optar por espécies mais adaptadas a cada região, do carvalho-roble à azinheira, do sobreiro à cerejeira-brava, do carvalho-negral ao choupo branco, ou ainda do pinheiro-manso ao medronheiro. Estas duas espécies foram as aconselhadas pelos especialistas para o algarvio concelho de Silves, entregues de forma simbólica a Jorge Ponciano, chefe de gabinete da presidente, Nélson Correia, responsável da Proteção Civil, que as plantaram na Quinta Pedagógica. Espaço onde a sensibilidade ambiental é instigada de forma divertida desde as mais tenras idades, e que poderá receber boa parte das 400 árvores que serão plantadas no concelho, em novembro.

Ponto final da aventura que ontem partiu de Arraiolos para 291 quilómetros através dos rápidos e divertidos estradões tipicamente alentejanos onde a velocidade exponenciou o gozo de condução entre sobreiros, permitindo vislumbrar, aqui e ali, pastos extremamente secos e gado alimentado a ração e feno. Piso duro a que se seguiu boa dose de areia, com complicações acrescidas para as motos de grande porte, logo a seguir à travessia do Tejo com passagem rápida pelo distrito de Santarém antes da reentrada nos mais rápidos trajetos portalegrenses, rumo à serra algarvia. Onde a visão do mar deu dose extra de força anímica rumo a Lagoa onde houve festa rija com sotaque internacional, dos 45 espanhóis (e muitos catalães…) ao participante alemão, passando pelos 5 suíços, 4 franceses, 2 belgas e 1 irlandês. Pelotão heterogéneo também nas motos, com predominância repartida entre as Honda CRF 1000 Africa Twin e BMW R1200 GS, ma onde não faltaram Yamaha Téneré e Super Téneré, imensas KTM, de todas as cilindradas, Husqvarna, Sherco, um grupo de ‘clássicas’ Africa Twin 650, e as nacionais AJP, das mais leves PR5 à ‘africana’ PR7. E Vespa!

Como a PX 125 (com kit Polini 177 cc) que Iñigo Carrasco levou até à meta, passando o pórtico de chegada, em Lagoa, sob enorme chuva de aplausos. Festa merecida depois dos contratempos que afetaram o galego de Vigo que, juntamente com o amigo Jose Horjales, participaram pelo 3.º ano na maratona que liga dois extremos do mapa nacional. E se, no primeiro ano, “a desistência foi forçada logo no primeiro dia, com muita sujidade na gasolina, para em 2016 terminar sem problemas ao contrário do Jose que ficou a 70 quilómetros do final”. Por isso, voltaram a insistir este ano, e se Iñigo chegou ao final sem contratempos de maior “apenas muitas limpezas do filtro de ar devido ao pó”, já Jose “voltou a ficar pelo caminho com o motor a acusar o peso dos anos, sem compressão suficiente para seguir caminho”.

O clima de festa que coroou a chegada do galego repetiu-se com outros participantes, cada um com sua história particular de superação, deixando de lado receios da extensão ou da previsível exigência técnica para se abalançarem em tamanha empreitada. Aventura para Homens de barba rija que várias mulheres cumpriram sem qualquer tipo de temor. Das seis à partida, apenas uma ficou pelo caminho, na parte mais dura do evento da FMP, com subida em pedra logo a seguir à Régua, onde um pé mal apoiado valeu lesão na tíbia. Desânimo que não faz esmorecer “vontade de regressar” e descobrir Portugal em todo o seu esplendor, entre Trás-os-Montes e o Algarve. Como o fez a jovem feirense, Márcia Monteiro, que aos comandos da pequena AJP PR5 250 cumpriu todo o percurso “com mais ou menos dificuldades, em três dias bem divertidos, de descoberta de paisagens que só não são mais espetaculares devido aos incêndios que enegreceram muitas das serras portuguesas”.

Motivo que foi mote para a bem-sucedida Campanha Reflorestar Portugal de Lés-a-Lés, deixando árvores autóctones em vários concelhos, em simbolismo que será materializado mais tarde, na altura ideal para a sua plantação, com entrega de vários milhares de jovens árvores. Para que, daqui a alguns anos, esta aventura de descoberta possa encontrar paisagens mais verdes, trilhos mais frescos, reforçando o prazer de conhecer um País de beleza ímpar.

Please follow and like us:
3º Portugal de Lés-a-Lés Off-Road: Atravessar Portugal em defesa da floresta
FMP